Crônica: Espaço na van e Ed Motta

Crônica: Espaço na van e Ed Motta

“Se arruma, aqui que tá bom, aqui tá dez...” Nas minhas andanças pelas vans que há até bem pouco tempo cortavam indiscriminadamente a cidade do Rio de Janeiro, algo que vez ou outra me incomodava era a falta de critério na escolha das rádios que fariam a trilha sonora de nossos percursos, uma vez que o conceito de som ambiente…
Crônica: Caetano e João

Crônica: Caetano e João

Entro no carro. Mala, computador, livros, mantimentos e toda a parafernália para um carnaval nas montanhas. “Pensando así, diciendo así, cantando así por el camino...” Tati me olha sorrindo, sem precisar dizer muito. É Fina Estampa Ao Vivo, um carinho da minha amiga irmã à sua companheira de viagem. Não é a primeira rota que fazemos juntas com a mesma…
Crônica: Café, brigadeiro e uma banana pro Jamie Oliver

Crônica: Café, brigadeiro e uma banana pro Jamie Oliver

O café vem com o agrado de uma pazinha, dessas de sorvete, só que com brigadeiro. Bebo devagar, presenteando a língua com um morno banho castanho escuro, castanho acre, para depois adoçá-la, num “morde assopra” sensorial aromático, líquido e cremoso. Café e chocolate. Brigadeiro numa pazinha. Brigadeiro num copinho. Brigadeiro numa colher... Brigadeiro, talvez o doce brasileiro por excelência. Continuo…
Crônica: Je suis mal humorada

Crônica: Je suis mal humorada

Último domingo do mês, pleno verão, praias lotadas, nada de chuva. O tempo seco não ajuda o trabalho do ar condicionado que parece necessitar de um pequeno milagre para resfriar um cômodo. Ligo o ventilador e sento para tomar a sopa do cardápio prescrito para que eu cumpra a promessa de um 2015 enxuto. Quantos quilos? E lá vai janeiro...…
Crônica: Eitas, hirtas

Crônica: Eitas, hirtas

Hirtas, esta é a palavra que melhor expressa. Poderiam ser também eretas, tesas. Mas escolho um adjetivo um pouco mais elaborado para falar das velas vermelhas, tendo em seus corpos, em alto relevo, cada uma um verde pinheiro, cada uma, em seu respectivo castiçal, posicionada em num dos lados da minha árvore de Natal. Hirtas. Não mais. Enquanto tomo meu…
Crônica: O tédio da barata

Crônica: O tédio da barata

É o tempo de retirar e recolocar a tampa rapidamente. Um estado de alerta, uma certa adrenalina, como a dos ancestrais mais longínquos em tempos de sobrevivência em campos hostis. Instinto de autopreservação num grau bastante elevado. Puxo o ar, os olhos ainda pregados na tampa, e vou respirando, retomando o espaço do banheiro como meu, e como algo seguro.…
Crônica: Mulher independente, só que não…

Crônica: Mulher independente, só que não…

Fim de 2014, estamos já na segunda década do século 21. Isso é bom. Mulheres cada vez mais independentes e emancipadas. Mulheres como maioria absoluta nas universidades brasileiras. Mulheres cada vez mais libertas de tabus comportamentais que historicamente nos tolheram os movimentos. Mulheres assumindo profissões até a pouco impensáveis fora do domínio masculino. Mulheres blogueiras, cronistas, escrevendo sobre a contemporaneidade…
“Shakespeare e o jovem apostador”

“Shakespeare e o jovem apostador”

Início de semestre, chego no colégio Hervalina Diniz pré-acordada com a diretoria, coordenação pedagógica e parte do corpo docente que pacientemente seduzi (?) para o projeto. Chego no colégio para a distribuição dos livros e fazer uma fala aos alunos. Tudo corre bem. Na hora de dedicar os livros – definitivamente não me sinto bem com a palavra autógrafo –…